Posts Tagged ‘finais’

Coritiba 0x0 (5×4): 2º jogo da final do Campeonato Paranaense 2012

Anular Guerrón foi o principal objetivo?

Foto de Albari Rosa para a Gazeta do Povo.

Empate sem gols e decisão por pênaltis, que valeram o tricampeonato.

Sobre o título, comento no próximo post.

Agora o jogo.

O Coritiba jogou pouco no primeiro tempo. Anderson Aquino seguiu com a série de atuações fracas, que não justificam mais sua escalação como titular faz um bom tempo. Rafinha entrou no sacrifício, longe de estar em condições físicas. E foi mais uma vez apagado em atletibas.

Tcheco, em sua despedida de campeonatos paranaenses e no último atletiba da carreira, nem chegou a jogar quase nada. Saiu no início, contundido e muito irritado.

Sobrava o protagonismo para os demais jogadores, que demoraram a se encontrar em campo.

O primeiro tempo foi todo do Atlético, e o Coritiba se dedicou principalmente a evitar algum lance decisivo de Guerrón. Junior Urso, Lucas Mendes e Emerson foram vigilantes, atentos e rápidos nos desarmes. A principal arma atleticana ficou anulada.

Somente no segundo tempo o Coritiba tomou as ações do jogo. Com Everton Costa no lugar de Anderson Aquino a linha de frente ganhou qualidade e velocidade. Com a entrada de Lincoln no lugar de Rafinha nova melhora.

Mas nada disso foi suficiente para resolver o jogo. Gil foi o mais acionado, pela lateral direita.

E se o Coritiba controlou a bola e dominou as ações, não chegou ao gol adversário nenhuma vez.

Na decisão por pênaltis, o erro de Guerrón deu o título ao Coritiba.

Numa avaliação geral: ótima atuação da retaguarda Coxa, com atuação segura de Emerson, Demerson, Gil, Lucas Mendes, Urso e Djair. Este último, que entrou no lugar de Tcheco, mostrou que tem qualidade para ser titular sempre que necessário.

Marcelo Oliveira mostrou mais uma vez que é um treinador tímido para decisões. Mesmo quando o Coritiba controlava o jogo e o Atlético não oferecia perigo, não quis sacar um dos volantes para colocar o time mais à frente. Preferiu arriscar a decisão por pênaltis que arriscar perder o jogo em um contra-ataque atleticano.

De qualquer forma, o resultado foi justo, pelo que foi o campeonato e pelo que foi o jogo.

Agora, é bom comemorar, mas não muito. Que quarta-feira tem jogo importante contra o Vitória.

Veja também o primeiro jogo da final aqui no blog, e as campanhas do primeiro e segundo turnos:

Atlético 2×2 Coritiba: 1º jogo da final do Campeonato Paranaense 2012

A campanha do Coritiba no 2º turno do Campeonato Paranaense 2012

A campanha do Coritiba no 1º turno do Campeonato Paranaense 2012

Anúncios

Atlético 2×2 Coritiba: 1º jogo da final do Campeonato Paranaense 2012

Decisivo mais uma vez: Everton Ribeiro comemora o primeiro gol do jogo

A foto é do sítio do Coritiba.

O Coritiba entrou em campo com: Vanderlei; Gil, Demerson, Emerson e Lucas Mendes; Júnior Urso, Djair, Tcheco e Éverton Ribeiro; Lincoln e Roberto.

Realmente uma ótima escalação, pois a dupla de volantes (Urso e Djair) segurava o jogo adversário, liberando Tcheco para atuar mais como armador. Lincoln ganhava posição ao voltar do Departamento Médico (coisa que não aconteceu com Rafinha). Everton Ribeiro foi mantido no time, e saiu Anderson Aquino, realmente o que vinha jogando pior na linha de frente do Coritiba.

Eu imaginei que esta escalação colocava o Coritiba bem postado e seguro na defesa, jogando com velocidade e toque de bola no contra-ataque. Mas não foi esse o retrato do jogo.

O Atlético jogou muito mais atrás, e o Coritiba dominou as ações no primeiro tempo. Jogando mais com a bola, e no seu campo de ataque, o Coritiba não conseguia chegar ao gol. Bem postado, o Atlético saía em contra-ataques rápidos, e sempre levou perigo. Mas o cenário do jogo mudou após jogada individual e chute rasteiro de Everton Ribeiro. Era com o pé direito, que não é o bom, mas mesmo assim o goleiro Vinícius deixou passar.

Poucos minutos depois, o Atlético chegou ao empate num bate-rebate, igualando as ações.

Na volta para o segundo tempo, o Atlético veio mais bem organizado e tomou conta do jogo. O Coritiba trocava passes na entrada da área adversária, mas quase nunca chegava a criar condições de finalizar. Vale dizer que o gol do primeiro tempo saiu na única finalização certeira do Coritiba, enquanto o Atlético chegou diversas vezes com perigo, dando bastante trabalho a Vanderlei, que fez diversas defesas difíceis.

No segundo tempo, o Atlético fez seu gol logo no início, após um chute de fora da área que Vanderlei não conseguiu segurar. Martin Ligüera, o melhor rubro-negro em campo, aproveitou o rebote para fazer 2×1.

Com isso, estava desenhado um cenário difícil para o Coritiba. Carrasco recuou o time tirando dois homens de frente para colocar volantes. Com a vitória do Atlético, o Coritiba não podia mais ser campeão no tempo regulamentar do segundo jogo. É que o regulamento da Federação Paranaense não prevê saldo de gols. Ou seja, com uma derrota no primeiro jogo, o Coritiba teria que vencer o segundo jogo, não importando por qual placar, para levar a uma decisão por pênaltis.

Com esse regulamento em mente, Marcelo Oliveira percebeu que perdido por um ou perdido por dez não fazia mais diferença. Sacou os dois volantes, Djair e Urso, para colocar dois atacantes – Anderson Aquino e Marcel. Também trocou Lincoln por Renan Oliveira, pois o camisa 10 jogou muito bem no primeiro tempo, mas estava anulado no segundo.

As modificações deram resultado: Marcel é um jogador muito importante para se postar em meio a defesas retrancadas, por que ele é atacante de presença na área, e não de chegar em velocidade como Aquino e Roberto. Nas poucas vezes em que pegou na bola, ele mostrou que era o jogador certo para aquele cenário (e aliás, merece jogar mais, aproveitando a má fase de Aquino).

Mas quem foi decisivo mesmo foi o zagueiro Emerson. Foi dele a jogada no meio campo, subindo ao ataque. Marcel disputou a jogada após a bola quase ser perdida por Emerson. Voltando a ter a bola perto de si, o zagueiro tocou para Anderson Aquino, que colocou para dentro, no canto do goleiro Vinícius.

Um empate justo pelo que foi o jogo, com um Coritiba com mais domínio da bola, mas com o Atlético atacando de forma incisiva. Quando recuou o time para segurar o resultado favorável, o Atlético abriu espaço para o Coritiba igualar.

Agora, quem vencer o segundo jogo no Couto Pereira leva o título. Se der empate, a decisão irá para pênaltis.

%d blogueiros gostam disto: